segunda-feira, 3 de novembro de 2014

7CENTOS



Este é o 700º post editado aqui no dasletra.

Os Mapas Estatísticos me dão conta de que 22,7% dos acessos ao blog foram de leitores em mais de trinta países, entre eles: Estados Unidos, Alemanha, China, Rússia, França, Malásia, Reino Unido, Ucrânia, Canadá.

Não faço, desde o início, nenhuma divulgação e raramente comento, mesmo nos meus círculos mais íntimos sobre minha atividade paralela indispensável.

Sempre quis receber de algum destes leitores externos um comentário sequer dando a razão pela qual acessaram ou que acessam com regularidade o blog. Já fiz inúmeras conjecturas e acabo acreditando na teoria de Vlad que os acessos foram por pesquisas equivocadas ou qualquer outra razão, jamais a de que o leitor estivesse determinado a acessar os meus textos.

Muito bem, faço um pedido veemente a você daí de fora: escreva alguma manifestação sobre como e porque acessou e eu o retribuirei de forma compensatória. Prometo que viajarei incontinente para o seu país e permanecerei o tempo que você julgar conveniente, postando inclusive daí, de sua residência, onde me hospedarei.

Sim, porque os motivos se justificam.

Você, por força de nossa convivência, conhecerá melhor as minhas ideias, os meus incômodos, as minhas angústias, os meus quereres. Poderemos debater longamente o cerne dos textos com os quais você mais se identificou, gostou, odiou, enfim que tenha lhe afetado de alguma forma.

E eu vou afinal conhecer alguém, que sabe-se lá por que, me leu ou me lê. Idealmente que seja jovem, necessariamente bela, perspicaz, interessada nas questões que me interessam e que não foram poucas.

Meti-me a besta em assuntos, a maioria deles, que não tenho profundidade. Política, Economia, Arte, História, Direito. Escrevi contos, estórias mirabolescas como os diálogos com minha netinha. Dei palpites, critiquei, analisei. Relatei confidências mais íntimas, falei de e para amigos, emocionei-me em alguns textos.

BANAL, o campeão de acessos, não é o meu preferido entre os setecentos. ACASO talvez sim, seja um dos mais interessantes. COMO foi uma curtição e PÓSPICO, também muito lido, outra. TREVA acho uma beleza, M47YX367 é bacana as pampa.

Enfim, me escrevi de todo.

Hoje amanheci triste, contudo. Não sei, mas pode ter sido porque ontem a noite assisti na TV Cultura ao programa Café Filosófico que vem debatendo a série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”. O tema de ontem foi sobre a Inveja, conduzido pelo historiador Leandro Karnal.

Karnal, sem trocadilho, nos mostra como a inveja pode ser a porta de entrada para um corajoso mergulho em nós mesmos, para conhecermos quem somos e o que buscamos. Que a inveja não é desejar o que é de outro, porque isto é cobiça. Inveja é ficar triste pelo sucesso, ter, poder que o outro tenha.

Euzinho nunca fui convidado para falar no Café Filosófico.


Até breve.

2 comentários:

  1. Sou um leitor assíduo do seu blog, mas moro no Brasil mesmo... Vc não me conhece, mas um dia, não sei como, te descobri na internet e não parei mais de ler. Seus textos são excelentes. Gosto das reflexões. Pois acho que vc deveria ir no Cafe Filosófico. Quem sabe um dia...

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pela força. Abraço

    ResponderExcluir