domingo, 16 de junho de 2019

SAÍDAS




“... o presidente de um país imaginário, mas não muito, declara que na sua administração só participará, se não for filho, quem se ajustar à linha dominante do governo. Qual é essa linha, presidente? E eu sei? Falem com o Paulo Guedes que tem todas as linhas do governo no bolso e se recusa a mostrá-las até a mim. Presidente, nós acreditamos que a terra é plana ou redonda? Depende. Que dia é hoje? Presidente, o que significa essa anedota que ninguém ainda entendeu? Vocês querem que Eu entenda?!

Luiz Fernando Veríssimo em sua crônica de hoje (Anedotas) no Estadão.


Pois é, prefiro que isto sugira mais uma tragicomédia do que propriamente uma piada que nos faça rir, por força de nossa idiotia a cada dia mais aguda.

Estive, na última sexta-feira, em um encontro nacional no qual participaram representantes da alta cúpula do empresariado brasileiro. No palco secretários de governo, ministros, empresários, senador, governador, presidentes de entidades de classe e o presidente do Supremo Tribunal Federal.

Sentei em cadeira colocada na fila do gargarejo. O evento transcorreu de dez e pouco da manhã até perto das dezenove horas com cada palestrante tendo vinte minutos para a sua exposição.

Saí de lá melhor do que entrei. Ou seja, mais informado e, portanto, mais preocupado com nossa pátria amada.

Os diagnósticos apresentados pelos integrantes do governo (todos da área econômica) do quadro são translúcidos, contundentes e pragmáticos. Até eu os entendi e, por isto, saí do evento mais tenso.

Os planos, embora apresentados apenas em tópicos e não em detalhes, são também igualmente bem construídos e de uma obviedade acachapante.

Resumo: o que não nos faltam são diagnósticos e planos. Nosso drama histórico reside na execução por força de que isto só se dá, constitucionalmente, pela via política.

Não vou entrar nesta seara. A puslítica me dá náuseas e já derramei aqui minha mais explícita bílis.

Duas empresas que se fizeram representar no palco me proporcionaram certo alento. Uma ferida de morte pela operação Lava a Jato, e outra por falhas graves em suas operações que resultaram em tragédias de alcance internacional.

Gostei de ver, e até cumprimentei efusivamente o presidente da empresa lavada, pelo extraordinário trabalho de reviravolta da governança ressuscitando-a e recolocando-a em condições de operar em todas as dimensões de seu magnifico portfólio de negócios.

Quanto à outra empresa, historicamente conhecida por sua postura grosseira e imperativa junto aos seus stakeholders fez, de forma genuína e crível, uma profunda e comovente lição de humildade. Às vezes, pessoas e organizações, só mudam após um desastre.

O último expositor foi o presidente do STF.  Ele apresentou o nascedouro dos três poderes e deu ênfase ao escopo de papéis reservados ao judiciário, em especial à Suprema Corte.

De forma clara e inteligível ele conclamou a sociedade a se perguntar até quando ela se mostrará incapaz de equacionar, dirimir e resolver suas inúmeras pendengas que desaguam aos milhares às portas da última instância do poder.

Apresentou números e teceu considerações gerais sobre a dinâmica dos processos que foram suficientes para dar a dimensão da gravidade do nível de maturidade dos contratantes sociais. Só nas pendências fiscais há, em processo de sentença, o montante de um trilhão de reais.

A cultura recorrente de nossas pendengas ao poder moderador resulta em prejuízos imensos à credibilidade e a reputação do mercado brasileiro dentro da cena internacional e, eu já ouvi isto antes, determina muitas vezes o afastamento de investidores.

Pois é, minha tensão aumentou agora ao concluir este post. Se não estou muito equivocado o que está aí foi escolhido por nós. Antes de apontarmos o dedo acusatório de nossas mazelas para quem quer seja, deveríamos é estar pensando o que temos feito para que nosso riso deixe o campo patológico e derive de uma alegria recompensadora.

Deve ter alguma razão para que o cotovelo só abra em nossa direção. Ou será necessário um desastre mais evidente do que aquele que está posto para que afinal este país se emende?



Até breve.