sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

MONSTROS



Ato falho é um equívoco na fala, na memória, em uma atuação física, provocada hipoteticamente pelo inconsciente, isto é, através do ato falho o desejo do inconsciente é realizado. Isto explica o fato de que nenhum gesto, pensamento ou palavra acontece acidentalmente. Os atos falhos são diferentes do erro comum, pois este é resultado da ignorância ou conveniência.

A primeira explicação veio no livro Psicopatologia da Vida Cotidiana, de 1901, em que Freud descreveu o ato falho como uma confusão com um sentido maior por trás. Ou seja, para Freud, falamos "sem querer querendo".

A probabilidade de eu ter ganhado a Megasena da virada tendo jogado joguinhos simples de seis números foi de 1 em 50 milhões. Maior seria a de ser atingido por um raio que é de 1 em 2,5 milhões.

A probabilidade de eu concluir este post é de praticamente 100%. Por isto é que eu escrevo. Não há risco.



Pátria Educadora. Exemplar a foto. A presidenta ao lado de dois luminares da cultura e referência nacional: os inimigos externos, citados por ela, parte da quadrilha de sequestradores da energia brasileira, a Petrobras.

O filho de um deles, aquele da direita na foto, agora é Governador de Alagoas. O da esquerda perdeu as eleições, mas já já se arruma em um dos 39 postos loteados.

Ontem, à tarde, assisti com Noninha no colo ao filme Homem Aranha. O inimigo do herói era um cientista maluco que desenvolveu uma substância que tornaria os humanos em lagartos gigantes que teriam como propósito destruir a espécie humana.

À noite, Pretinha reclamou comigo que Noninha repetiu inúmeras vezes antes de dormir que o lagarto viria pegá-la e ao Tim.

Não fiquei tão preocupado quanto se ela tivesse assistido comigo às cenas do discurso de posse da Presidenta. Especialmente ao juramento, quando a personagem de nossa tragédia real, fechou o livrinho e balbuciou: “Assim o prometo”.

Freud é uma peste.



Até breve.

2 comentários:

  1. Agradeço as reflexões! Ótimo 2015!

    ResponderExcluir
  2. Não consigo falar daquilo . . .

    ResponderExcluir