domingo, 5 de janeiro de 2020

HORRIGERÂNCIA




"O Grito", de Edvard Munch, pintado em 1895, é o quadro ...


“Tanto é o sangue
que os rios desistem de seu ritmo,
e o oceano delira
e rejeita as espumas vermelhas”.
GUERRA, Cecília Meireles


uma guerra.

Não somente essa, da despaciência de Francisco com a fiel, nas portas de abertura do ano novo, vida nova.

Coreia do Sul e do Norte, desde 1950, conflito que envolveu EUA e China. A tensão arrefeceu no último ano, com negociações pelo fim dos testes nucleares no Norte.

Índia e Paquistão, desde 1948, a disputa pela Caxemira já levou a três guerras entre os países e deixou mais de 45 mil mortos. A tensão na fronteira é constante. Preocupa o fato de os dois países serem potências nucleares.

Síria, desde 2011, guerra civil entre o ditador Bashar al-Assad —apoiado por Rússia e Irã— e milícias, com suporte dos EUA, salpicadas de terroristas como o Estado Islâmico, já fez mais de 5,6 milhões de refugiados.

Iêmen, desde 2015, a tentativa de golpe dos guerrilheiros houthis escalou para uma guerra civil que envolve a Arábia Saudita, ao lado do governo, contra o Irã, que apoia os rebeldes. A população civil enfrenta uma epidemia de fome.

Sudão do Sul, desde 2011. O Sudão reivindica uma área rica em petróleo e dá início a um conflito marcado por crimes de guerra, como o sequestro de crianças para treiná-las como soldados.

Iraque, desde 2003, entre xiitas e sunitas, e a aparição do Estado Islâmico, impede a paz no país até hoje.

Afeganistão, desde 2001, após os ataques de 11 de setembro os EUA invadem o Afeganistão. Mesmo com relativo sucesso, enfrenta forte resistência de guerrilhas islâmicas e ainda não conseguiu estabilizar o país.

Líbia, desde 2014, começou com protestos contra o ditador Gaddafi. Após sua execução, em 2011, insurge uma guerra civil com disputa entre milícias e o novo governo.

Rússia e Ucrânia, desde 2014, após a deposição do presidente pró-Rússia, Viktor Yanukovych, Moscou invade e anexa a Crimeia. O surgimento de grupos paramilitares nacionalistas na Ucrânia só piora a situação na fronteira no Leste.

Turquia e curdos, desde 1984, a Turquia enfrenta os rebeldes curdos que exigem a independência do seu território. Os EUA apoiam o exército curdo no combate ao Estado Islâmico, na fronteira com o Iraque, gerando mal-estar diplomático.

Israel e Palestina, desde 1967 (Guerra dos Seis Dias), que opôs países árabes a Israel, os palestinos reivindicam territórios e a criação de um Estado. O direito sobre Jerusalém é ponto de grande conflito.

Somália, desde 2002, o Al-Shabab surgiu na guerra civil da Somália, na década de 1990, e tenta instalar um governo islâmico radical no país.

Nigéria, desde 2011, praticando atentados contra a população civil e até o sequestro de crianças, o Boko Haram tenta instaurar a lei islâmica no país e tem ganhado territórios no nordeste da Nigéria.

Liguem à TV agora e escolham a programação para atualizarem-se. Sugiro que não se ocupem com as perdas que já se aproxima de cem milhões entre mortos e refugiados. A expressão da iniquidade não se resume a estes milhões de vítimas, mas ao terror universal que deriva dela.

O Grito é uma das mais famosas pinturas da história da arte ocidental. Foi pintada em 1893 pelo artista norueguês Edvard Munch. Em 1892, Munch registrou em seu diário o que viria a ser o impulso para a produção de sua mais célebre obra.

“Caminhava com dois amigos pelo passeio, o sol se punha, o céu se tornou repentinamente vermelho, eu me detive; cansado, apoiei-me na grade - sobre a cidade e o braço de mar azul-escuro via apenas sangue e línguas de fogo - meus amigos continuaram a andar e eu permanecia preso no mesmo lugar, tremendo de medo - e sentia que uma gritaria infinda penetrava toda a natureza”.

Não bastassem todas as guerras presentes, há ainda a minha própria, essa que me corrói a cada dia. Também por isto.


Até breve.


Fonte: Global Conflict Tracker, do Conselho de Relações Internacionais dos EUA.


10 comentários:

  1. Querido Agulhô, belíssima reflexão, ao mesmo tempo que nos entristece por nos acordar, não de um pesadelo, mas de uma realidade. O saudoso Pierre Weil externava a sua tristeza quando refletia sobre "o preço da paz e das fronteiras". Ainda criança, dizia que "a minha pátria é principalmente a terra". Pena que os maiores líderes mundiais não pensem assim. Triste. Poupo dessa o papa Francisco que deu uns tapas naquela mulher que puxava o seu braço: paciência tem limite; até Jesus perdia a sua e chegava a ser rude em algumas situações.

    Abraço, meu amigo. Obrigado por nos convidar, sempre, para reflexões e nos inspirar a não ficarmos calados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que sempre devo agradecer por sua amizade. Brigado, Julinho.

      Excluir
  2. Caro Agulhô, obrigado pelo convite para ler sua crônica. Mesmo sendo dura a realidade de que os rumos não mudarão, a obra que a ilustra transmite o sentimento e fecha a crônica. A vontade que fica é a registrada por Munch; o grito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que devo agradecer àqules que comigo compartilham da mesma amargura. Brigado, amigo.

      Excluir
  3. Grande Agulhô, o Osias me escreveu pedindo o seu contato, e descobri que não tenho, desde que você saiu do Facebook. Por favor me envie um modo de contatar você para o meu email maninhowilson@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Agulho, saudade das conversas mais profundas que não cansavam, mas alimentavam minha alma. Só essas conversas para nos fazer acreditar em algo no meio de tudo isso. Beijo do amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bora marcar um dia para nos aprofundarmos... Te ligo.

      Excluir
  5. Parabéns pelo texto, Agulhô. Falta apenas a Guerra Nossa de Cada Dia, a que mata mais do que todas essas aí juntas, por dia! Feliz Ano-Mesmo!!!

    ResponderExcluir
  6. Abordei só as guerras horríveis, as terríveis quem você refere são sim as mais insustentáveis. De qualquer forma, como Camus encreve ao General De Gaulle de que o dever de todo resistente era “lembrar as pessoas todos os dias, todas as horas se necessário, em todos os artigos, em todas as transmissões, todas as reuniões, todas as proclamações” o que se estava defendendo na reação aos nazistas. Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
  7. ... as terríveis a que você se refere...

    ResponderExcluir