segunda-feira, 8 de abril de 2019

FASCÍNIO





Nota: Para um aproveitamento maior clic no canto direito do vídeo e assista em tela inteira.


Ontem assisti a um espetáculo. Raro, impensável, arrojado, com grande força poética. Marcante. Em tudo magnificamente surpreendente.

Celui qui tombe, Aquele que cai. Concepção, direção artística e cenografia de Yoann Bourgeois.

Uma maravilha fascinante!

Yoann Bourgeois, dedicado inicialmente ao circo, do qual empresta elementos em todos os seus espetáculos, direcionou sua carreira para a dança contemporânea e, desde 2016, dirige o Centre Coregraphique Nacional de Grenoble, no qual se apresenta como um artista interessado em “desarmar o tempo”, por meio de “um processo ininterrupto de criação”. Celui qui tombe é mais uma de suas tentativas de parar o relógio num ponto de suspensão.

Para o criador de Aquele que Cai, a dança contemporânea encontra no circo uma importante relação que integra a harmonia dos movimentos com energia singular – e espetacular – das acrobacias. “Com o circo descobri que queria me aprofundar no fenômeno físico elementar que passa por nossa humanidade”, diz. “Ao retirar o circo de suas formas arquetípicas, apliquei à plataforma as forças que estão presentes no aparato clássico circense.”

Saí do teatro experimentando uma satisfação imensa. Pela magnitude da produção de conhecimento interdisciplinar.  O espetáculo envolve, além de todo um repertório artístico para a produção do texto, da coreografia em si, da música, do canto, da interpretação, um imenso estudo de arquitetura, engenharia, cinética, física, mecânica, acústica, iluminação, e sei lá quantos mais para dar conta de um tudo que nos leva, espectadores, abrir a boca em um espanto gozoso.

Bourgeois cria um jogo para experimentar novos princípios físicos. Seus jogadores, cinco artistas, se movimentam sobre uma plataforma de madeira instável, suspensa, de 36 metros quadrados – que desce, se inclina, roda, balança e se eleva – com uma única instrução: manterem-se de pé.

Sem controle do que acontece, os artistas se rendem ao movimento em busca de formas, tanto individual quanto coletiva, e se relacionam com a gravidade existente.

Penduram-se e caem, juntos e separados, como em uma dança pela sobrevivência, um universo infinito de possibilidades em busca de alcançar o topo da suspensão do corpo.

Ao invés de iniciar o movimento, cada um deles reage a ele e trabalha contra forças centrípetas e centrífugas, tentando manter o equilíbrio, evitando ser aquele que cai.

A cenografia nos coloca diante da plataforma instável de madeira e em torno dela o vazio. Não há como observar o que está no palco a não ser a cena. . A ausência de um significado, definitivo e soberano, tem levado nossa humanidade a buscar mais localmente, com uma nova coragem, nos picos de desespero, como diria Schopenhauer, cercados de vazio.”

Enquanto a plataforma gira, as ideias, tão abstratas, não parecem fustigar a qualidade técnica e artística dos bailarinos. Se o sentimento de vazio é coletivo e mundial, o espetáculo busca oferecer, em meio a tanta desesperança, uma solução conjunta que os impeça de cair: segurar uns aos outros. “O significado das situações do espetáculo vêm das técnicas de luta mão-a-mão entre o ambiente em movimento e nossa humanidade”, conta Bourgeois. “O significado então não é dado, é por natureza instável e dinâmico. É esse equilíbrio de forças que estamos procurando tornar perceptível.”

Ao conceber então, uma movimentação mutante e sob um chão instável, Bourgeois intui que as aparências tendem a desmoronar – a queda se torna atraente. “Queria tornar visível a fragilidade desta humanidade em luta. Estamos vivendo uma sequência histórica, sem precedentes, de profunda mutação civilizatória.”

A versão apresentada ontem no Sesc Palladium de BH conta com cinco artistas no palco (originalmente são seis) e “uma coreografia muito bem escrita” por Bourgeois, que, no entanto, nunca sai exatamente igual em cada apresentação, algo que apenas reforça as reflexões que o coreógrafo propõe com seu trabalho. Afinal, na arte como na vida, a realidade transforma os planos e impõe a necessidade de adaptação.

São experiências como estas que me animam ainda a buscar estar de pé.


Até breve.



Nenhum comentário:

Postar um comentário